segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Sigam a pista do dinheiro para perceber a origem da 'ameaça russa'


por Neil Clark [*]
 
Se vivem no Ocidente, e a menos que tenham estado trancados num guarda-roupa, devem ter ouvido frases ameaçadoras como 'A ameaça russa', 'Agressão russa na Europa' e 'A Rússia preparada para invadir a Polónia/Estónia/Ucrânia/Finlândia'.

Certas pessoas estão a tentar assustar-nos estupidamente com a Rússia e com a 'ameaça' que este país parece representar. A histeria faz-nos lembrar a montagem da guerra do Iraque, quando éramos alertados todos os dias para a 'ameaça' das mortíferas armas de destruição maciça, que – surpresa, surpresa – afinal não existiam.

Podemos passar horas a falar das grandes teorias bombásticas na área da geopolítica e das relações internacionais numa tentativa de explicar porque é que isto está a acontecer.

Mas o que temos que fazer é seguir o 'rasto do dinheiro'. Pensem em quem beneficia financeiramente com todo este alarmismo e logo compreenderão.

Esta semana, The Intercept revelou como os fornecedores da defesa dos EUA têm andado a dizer aos investidores que a alegada 'ameaça russa' é boa para os negócios.

Richard Cody, general do exército reformado, e vice-presidente da L-3 Communications, o sétimo maior fornecedor de defesa, lamentou o facto de que "quando acabou a velha Guerra-Fria, os orçamentos para a defesa sumiram-se Mas agora, uma 'Rússia ressuscitada' significava que " "vinha aí um aumento".

Stuart Bradie, chefe executivo da CBR, também enviou uma mensagem igualmente otimista que falava das "oportunidades" que a atual situação apresenta.

O processo para maiores gastos com a defesa para conter a 'ameaça russa' foi montado por uma série de grupos de reflexão. E sabem que mais? Os mais aguerridos lobistas – perdão, 'grupos de reflexão' – recebem um considerável financiamento dos fornecedores de defesa dos EUA!

The Intercept cita os exemplos do Instituto Lexington e do Atlantic Council.

Mas ainda há muitos outros. Em fevereiro passado, escrevi sobre um instituto político dos EUA, 'não partidário', chamado Center for European Policy Analysis. O CEPA emitiu um documento em que atacava a agência noticiosa russa Sputnik por dar voz a "políticos anti-establishment" que criticavam a NATO.

E quem financia a CEPA 'não partidária'? Os doadores mais recentes incluem o Departamento da Defesa dos EUA, a Boeing, a Raytheon Company, a Textron Systems, a Sikorsky Aircraft, a Bell Helicopter e a Lockheed Martin Corporation.

O que está a acontecer hoje na Europa é o mesmo que tem acontecido no Médio Oriente há anos.

Os EUA criam o caos, depois acorrem a vender aos países da região os últimos equipamentos militares para os 'proteger' do caos. É uma verdadeira fraude e uma clara imitação dos esquemas de extorsão da Máfia. Os países que não querem pagar, como a Jugoslávia nos anos 90, sujeitam-se a serem bombardeados.

Vitoria Nuland e o embaixador dos EUA na Ucrânia. Reparem como começou a crise na Ucrânia. Os EUA gastaram milhares de milhões de dólares numa operação de 'mudança de regime' para derrubar o governo democraticamente eleito de Viktor Yanukovych e substitui-lo por uma administração fantoche pró-EUA. Até ouvimos Victoria Nuland do Departamento do Estado – depois de ter entregue bolachas aos protestantes antigoverno em Maidan – a analisar quem devia figurar ou não no novo governo 'democrático' ucraniano, com o embaixador norte-americano, Geoffrey Pyatt.

Quando o povo da Crimeia votou 'Nyet', como seria de esperar, à operação do Departamento de Estado e votou esmagadoramente num referendo a favor da união com a Rússia, a Rússia foi acusada de ser a 'agressora' que tinha 'invadido' a Ucrânia. Os EUA deviam saber que a sua operação de mudança de regime na Ucrânia provocaria o caos e aumentaria as tensões com a Rússia. E foi isso mesmo o que fizeram!

Para combater a nova 'ameaça' russa não apenas à Ucrânia 'democrática', mas a outros países na Europa de leste, disseram-nos que era preciso um grande aumento nas despesas da NATO com a 'defesa'. Quem beneficia com isso? Claro, os fornecedores da defesa norte-americanos!

No ano passado, conforme relatei aqui , a Polónia mandou melhorar militarmente os Patriot Missiles, feitos nos EUA – fabricados por Raytheon – e os helicópteros militares Airbus, por 5,53 mil milhões de dólares.

Em novembro de 2014, a Estónia 'ameaçada' adquiriu 80 mísseis Javelin aos EUA, por 40 milhões de euros. Em fevereiro, ouvimos dizer que o país ia gastar , em 2020, 818 milhões de euros em novo armamento e equipamento.

Como comentou Charlie Chaplin na sua clássica comédia de humor negro de 1947, "Guerras, conflitos, é tudo negócio!"

Qualquer análise objetiva revela que é a NATO – e não a Rússia – com a sua concentração de armas e soldados nas fronteiras da Rússia, que ameaça a paz da Europa. Mas quem quer que assinale isso e refira a incessante Drang nach Osten da aliança militar, ameaça os lucros das empresas de defesa dos EUA e é atacado como 'pacifista' ou 'marionete do Kremlin' por aqueles que têm manifestos interesses financeiros em manter a tensão elevada.

Reparem nos ataques histéricos ao líder do partido britânico Labour, Jeremy Corbyn, pelos seus recentes comentários muito conscientes sobre a NATO e a Rússia.

Perguntaram a Corbyn num debate televisivo:   "Enquanto primeiro-ministro, como reagiria se Putin violasse a soberania de um estado membro da NATO?"

Respondeu: "Obviamente, em primeiro lugar, tentaria impedi-lo. Estabeleceria um bom diálogo com a Rússia para lhes pedir e os manter dentro das respetivas fronteiras. Tentaria fomentar a desmilitarização da Rússia e da Ucrânia e de todos os outros países na fronteira entre a Rússia e a Europa de Leste. Não podemos é permitir uma série de continuadas concentrações de tropas de ambos os lados, que só poderão conduzir a um enorme perigo para o futuro. Começa a ter o aspeto terrível da política da Guerra Fria na presente época. Temos que nos comprometer com a Rússia, comprometer com a desmilitarização naquela área, a fim de tentar evitar que esse perigo aconteça… Não desejo entrar numa guerra, quero é conseguir um mundo em que não haja qualquer necessidade de entrar em guerras, em que elas não sejam necessárias. É possível fazer-se isso".

Como assinala Carlyn Harvey, ao escrever no The Canary:   "Para milhões de cidadãos em todo o mundo, isso (a posição antiguerra de Corbyn) é uma ótima notícia. Mas para os que tencionam manter a política de poder e para as indústrias lucrativas que os apoiam, a visão de Corbyn está condenada ao desastre".

O incansável grupo de pressão para a guerra classifica Corbyn como um 'perigoso extremista' porque, se outros políticos ocidentais o seguirem, e promoverem o desarmamento e o diálogo, em vez da confrontação e da guerra, os lucros da defesa sofrerão um rude golpe.

Foi um presidente norte-americano, Dwight D Eisenhower, o primeiro a alertar-nos contra o complexo militar-industrial, em 1961:   "Temos que nos precaver contra a aquisição de uma influência indesejável, procurada ou não, do complexo militar-industrial" , disse.

Ninguém podia acusar, o Supremo Comandante da Forças Aliadas na Europa, na II Guerra Mundial, de ser 'comuna' ou 'marioneta do Kremlin'. Mas a situação é hoje muito pior do que era na época de Eisenhower.

Os neoconservadores imiscuíram-se nos corredores do poder. Apregoam estar interessados em espalhar a ' democracia', mas na realidade o movimento neoconservador só se preocupa com dinheiro e lucros. Henry 'Scoop' Jackson, o político norte-americano que se opôs violentamente à détente com a União Soviética nos anos 70, foi alcunhado, com toda a razão, de 'Senador para a Boeing'.

Trinta anos depois, a primeira reunião pós abertura da Sociedade Henry Jackson discutiu  como difamar o académico antiguerra Noam Chomsky, por ele não aceitar a classificação de genocídio quanto ao massacre de Srebrenica.
Parece que, para certas pessoas, a velha Guerra-Fria nunca acabou.

Quanto tempo mais os cidadãos do mundo aguentarão uma situação em que os defensores da guerra, com ligações ao complexo militar-industrial, têm toda a liberdade de alimentar as tensões internacionais? Na próxima vez que lerem ou ouvirem alguém a falar da 'ameaça russa' – e porque é que a NATO precisa de reforçar os seus gastos para lhe fazer frente – simplesmente sigam a pista do dinheiro.

Provavelmente será uma revelação.
22/agosto/2016
 
[*] Jornalista, escritor, homem da rádio e bloguista. Tem escrito para muitos jornais e revistas no Reino Unido e noutros países, incluindo The Guardian, Morning Star, Daily e Sunday Express, Mail on Sunday, Daily Mail, Daily Telegraph, New Statesman, The Spectator, The Week e The American Conservative. É colaborador regular da RT e também tem aparecido na TV BBC e na rádio, no Sky News, na Press TV e na Voz da Rússia. É cofundador da Campaign For Public Ownership @PublicOwnership. Vejam o seu blogue, distinguido com um prémio em www.neilclark66.blogspot.com . Tweeta sobre política e assuntos mundiais @NeilClark66

O original encontra-se em www.rt.com/op-edge/356726-russian-threat-paranoia-money/ .
Tradução de Margarida Ferreira.


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

A longa depressão


por Michael Roberts [*]
entrevistado por Mark Kilian [**]
 
'. MK: Nosso governo diz que a economia se recupera. Ao mesmo tempo, vemos que a Grécia precisa continuamente de "pacotes de resgate" e agora há problemas na Itália. Qual é o estado da economia mundial?

MR: O desenvolvimento da economia mundial desde 1945 não tem sido harmonioso, não vai em linha recta para cima. Tem havido uma série de booms e recessões. Com isso, quero dizer que um declínio no rendimento nacional ou no produto nacional de um país durante pelo menos seis meses, antes da recuperação e retomada do crescimento.

Mas o que é diferente acerca do período recente é que tivemos um afundamento muito grande em 2008-9 após o crash bancário internacional. A Grande Recessão, a qual perdurou durante 18 meses, foi a maior desde a década de 1930. Em consequência, todas as grandes economias do mundo, incluindo a Holanda, assistiram a um declínio drástico do seu rendimento nacional e produto nacional. Toda vez que acontece milhões de pessoas terem suas vidas arruinadas, elas perdem seus empregos e possivelmente seus lares porque não podem pagar a renda ou a hipoteca. Para culminar tudo isto, governos aprovaram toda espécie de medidas, de cortes nos serviços públicos e de bem-estar, os quais também prejudicaram a população. Todo esse período de declínio é uma perda permanente. Se não tivesse havido o afundamento, o produto e o rendimento teriam sido mais elevados, os empregos teriam sido melhores. Isso nunca poderá ser recuperado.

A diferença desta vez, em comparação com outras crises, é que a recuperação da Grande Recessão tem sido incrivelmente fraca. É a mais fraca recuperação económica desde a década de 1930. A partir do fim da Grande Recessão, após sete anos, a maior parte das economias dificilmente recuperou para o nível em que estavam em 2007. Isso mostra quão lenta tem sido.

Observe-se a Itália: o FMI apresentou um relatório que é realmente chocante . Não só a Itália tem uma importante crise bancária que em breve poderia vir a provocar o crash da banca a menos que o governo a salve (bails out), como o FMI considerou que o PIB e o produto da Itália não retomariam o nível de 2007 senão em 2025! São duas décadas perdidas de produto, rendimento, empregos e melhores condições para o povo italiano. Isto mostra quão má tem sido a recuperação na Itália.

O produto, o emprego e os rendimentos do povo na maior parte das economias e para a maior parte do povo não recuperam o nível de 2007. Segundo um novo relatório da McKinsey , os consultores em gestão, dois terços das famílias nas 26 economias da OCDE em 2015 têm padrões de vida mais baixos do que em 2005!

Assim, esta é uma recuperação realmente muito fraca e, na minha opinião, há todo o perigo, antes de retornarmos aos níveis anteriores, se é que o faremos, de que a economia mundial deslize para dentro de um outro afundamento dentro de um ano ou dois.

MK: No seu novo livro descreve três depressões: a dos anos 1873-1897, 1929-39 e a presente. Haverá algo que possamos aprender com isto?

MR: Na minha óptica não se trata de uma recessão normal, mas sim de uma depressão. Esta é diferente dos afundamentos (slumps) normais. Isso não acontece muito frequentemente. Na história do capitalismo moderno, do século XIX até agora, houve apenas três grandes depressões. Numa depressão, a recuperação é tão fraca que as economias não retornam à mesmas taxas de crescimento ou mesmo ao nível de produção que existia anteriormente, excepto durante um período muito longo.

Houve um grande afundamento em 1873 na Grã-Bretanha, Alemanha e EUA, então as principais economias capitalistas. Não houve recuperação forte depois disso. Houve uma série de afundamentos os quais perduraram durante os 20 anos seguintes. Aquilo foi uma depressão: um baixo nível de crescimento e uma série de afundamentos. Foi preciso realmente um longo tempo antes de uma recuperação sustentada se tornar possível.

A segunda depressão é chamada a Grande Depressão. Esta começou com o colapso dos mercados de acções nos EUA em 1929, semelhante ao colapso do mercado habitacional nos EUA em 2007. Após o crash de 1929 os EUA, a maior economia capitalista do mundo, entrou na mais severa depressão. Houve desemprego em massa prolongado e não houve recuperação real durante a década de 1930. A única coisa que acabou com ela foi a entrada dos EUA na Segunda Guerra Mundial, juntamente com a Grã-Bretanha, contra as chamadas potências do Eixo. A produção governamental foi aumentada, a qual levou ao crescimento económico e à recuperação. Assim, só a guerra provocou a recuperação na década de 1930. Na minha óptica, estamos num período semelhante. Serão precisas algumas mudanças drásticas a fim de o capitalismo recuperar-se de todo.

MK: Sua escolha de palavras sugere que a produção conduzida pelo estado pode ser diferente da produção capitalista?

Penso que há uma distinção a fazer aqui. Economistas keynesianos consideram que a solução para estes afundamentos é que o governo deveria gastar mais dinheiro no bem-estar social, ou dar dinheiro aos negócios para investirem, ou executarem seus próprios programas de produção por si mesmo e portanto por pessoas a trabalhar. Isto promoverá a economia capitalista e a colocará em andamento outra vez. Esta é a solução keynesiana para estas crises.

Isto foi tentado por curto tempo e sem muito entusiasmo na década de 1930 por Roosevelt sob o chamado New Deal . Mas não foi realmente tentado na actual recuperação. A maior parte do governo operou cortes nos gastos governamentais. Não estou a advogar a solução keynesiana. Ela pode ajudar por algum tempo, mas finalmente também cortaria a lucratividade do sector dos negócios poderia, sob certas circunstâncias, tornar as coisas piores.

Quando falo acerca da produção pelo governo quero dizer a tomada de controle pelo governo da maior parte do programa de investimento da economia. Assim as grandes companhias tornar-se-iam parte de uma operação conduzida pelo estado, idealmente possuídas pelo estado. Na Segunda Guerra Mundial, com efeito, foi o que aconteceu. Disseram às grandes companhias: "Vocês não podem mais produzir carros, agora têm de construir tanques". Era o controle directo do governo para o esforço de guerra. De certo modo, acabou a produção capitalista para lucro e foi substituída pela produção conduzida pelo governo. Os capitalistas ainda ganharam dinheiro e lucros, mas eles estavam completamente controlados e dirigidos pelo estado militar a fim de realizar uma guerra. A analogia aqui é que o capitalismo já não opera mais na base dos interesses do sector capitalista, mas naquele tempo isso foi encarado como nos interesses da sociedade.

Mas uma resposta socialista, ao invés de uma keynesiana , é que precisamos que governos tomem o comando dos principais sectores da economia a fim de produzir para necessidades sociais ao invés de produzirem para lucro. Isso significa controlar o investimento e a propriedade de todos os bancos principais e outras grandes companhias. Isso é drasticamente diferente do que os keynesianos propõem agora e vai mesmo mais além do que no tempo da guerra.

MK: Muitas pessoas vêem o longo boom após 1945 como uma situação "normal". Mas como explicamos o boom?

Essa é uma parte importante do meu livro; porque há booms e afundamentos. O período de 1945 a meados dos anos 60 foi excepcional; é chamado a "idade de ouro" do capitalismo. Houve crescimento bastante bom, mais ou menos pleno emprego, muitos países desenvolveram um melhor estado de bem-estar social, educação gratuita mesmo ao nível de universidade, serviços de saúde gratuito, programas de habitação social, melhores pensões, etc.

Mas foi um período excepcional. Por que? O que conduz ao crescimento sob o capitalismo é a capacidade para fazer lucros. A saúde da economia capitalista depende do que acontece à lucratividade do capital, a taxa de lucro sobre todo investimento feito por capitalista. No fim da II Guerra Mundial, em consequência da destruição física da Europa, da maior parte da maquinaria, fábricas, etc e de uma quantidade maciça de trabalho disponível a níveis baixos, a lucratividade disparou na Europa para os capitalistas quando recomeçaram. E eles obtiveram crédito barato (mesmo gratuito) dos EUA. Nos EUA houve uma desvalorização do capital velho, assim o novo capital veio com nova tecnologia que era extremamente lucrativo e houve uma enorme expansão da força de trabalho. O mesmo se passou com o Japão. Por toda a parte o capitalismo mundial teve um alto nível de lucratividade para o investimento.

Mas nos meados dos anos 60 a lucratividade começou a cair, bastante agudamente a partir do princípio dos anos 80. Este período é chamado a crise da lucratividade. A teoria das crises do capitalismo de Marx é que, apesar de a lucratividade ser a força condutora por trás do crescimento, ela não se pode manter em ascensão. Quando o capitalismo se expande e acumula capital, há uma tendência para a lucratividade cair. Isto é uma lei chave da economia política que Marx detectou. E nesse processo da queda da taxa de lucro o capitalismo entra em perturbação e as crises desenvolvem-se mais frequentemente.

A "era dourada" das décadas de 1950 e 1960 deu lugar a crises. Eu era jovem então e recordo que aquele tempo foi um período de grandes lutas do movimento trabalhistas pois a lucratividade caía e o capitalismo tentava conduzir os trabalhadores para o retrocesso. Os trabalhadores combatiam porque tinham um bocado de ganhos de que não queriam abrir mão e os sindicatos eram relativamente fortes. Finalmente os sindicatos foram esmagados nas recessões do princípio da década de 1980 e o movimento trabalhista foi agrilhoado e derrotado em muitas batalhas. O capitalismo tentou então elevar a lucratividade através de cortes nos gastos públicos, privatizações, na exploração da força de trabalho, removendo todas as protecções da força de trabalho, com a globalização, etc. Este período neoliberal foi o dos últimos 20 anos do século XX.

Assim, a "era dourada" foi um período especial quando a lucratividade era muito alto devido a uma guerra mundial, seguindo-se então um grande declínio na lucratividade e então pelo fim do século grandes esforços do capitalismo – com algum êxito – para aumentar as taxas de lucro outra vez.

MK: Então o que está realmente a dizer é que a crise dos meados dos anos 60 validaram a teoria da queda da taxa de lucro de Marx e a seguir o neoliberalismo mobilizou algumas das contra-tendências, que Marx também descreveu, a fim de restaurar as taxas de lucro?

MR: É um bom modo de colocar isso. A lei da lucratividade de Marx diz que quando o capitalismo se expande há uma tendência da taxa de lucro para cair. Mas há meios de neutralizar isso, por algum tempo. Sob uma sociedade capitalista o valor decorre só da exploração do trabalho, do povo que trabalha sob o controle de proprietários capitalistas de modo a que possam vender as commodities no mercado e possam ganhar um lucro. Eles utilizarão mais maquinaria e fábricas e nova tecnologia para manter baixo o custo do trabalho, mas ao assim fazer reduzem o montante de lucro por investimento. O lucro, e o valor em geral, de acordo com Marx vem só dos trabalhadores, ele não vem das máquinas. As máquinas não produzem valor a menos que você as ponha a trabalhar. Isso exige trabalho humano, a menos que você tenha uma sociedade só com robots – mas isso é uma outra estoria.

Assim, há uma contradição entre elevar a produtividade do trabalho através de mais investimento em tecnologia e lucratividade sustentada. Isto pode ser ultrapassado por um algum tempo pela exploração intensificada dos trabalhadores, durante mais horas, fazendo-os trabalhar mais intensamente, introduzindo nova tecnologia, expandindo o comércio, tentando ocupar países mais pobres e utilizar seus recursos – há vários meios pelos quais a acção contrária se pode verificar. Estes factores de contra-actuação operaram fortemente durante as décadas de 1980 e 1990, para reverter a taxa de lucro muito baixo a que o capitalismo havia chegado.

A lucratividade recuperou-se, mas de forma alguma próxima do nível da "era dourada". Desde o fim da década de 1990 a lei marxista da lucratividade começou a operar outra vez e, apesar de todas as tentativas dos capitalistas, começou a deslizar para trás nas economias mais importantes. Isso criou as condições para as novas crises e afundamentos do século XXI. Os capitalistas tentaram evitar isso por um enorme boom de crédito, pela injecção de grande quantidade de crédito, inventando novos meios para especular nos mercados financeiros e manter lucros altos para uma secção dos capitalistas. Mas a lucratividade subjacente não se recuperou. Você pode especular nos mercados de acções mas não cria nada com isso. Você apenas tenta espremer dinheiro de outros, por assim dizer, e criar uma melhoria aparente.

CAPITAL FICTÍCIO

Veja-se o momento actual. O mercado estado-unidense de acções atingiu a maior altura de todos os tempos (em termos nominais). Mas quando olhamos para o estado de crescimento e da produção nas economias principais verifica-se que estão realmente a desacelerar. Os lucros estão a estagnar e ainda assim o mercado de acções esta florescente. Isso mostra a divisão entre o que Marx chamou "capital fictício" e o que realmente se passa no processo capitalista. Esta divisão atingiu um extremo em 2007, um fosso entre preços no mercado de acções, preços habitacionais, especulação em mercados financeiros e o que estava realmente a acontecer com a lucratividade do capital. Então veio o crash.

Este é o processo que tento descrever no livro. O livro tenta apresentar alguns indicadores para os leitores examinarem. Alguns economistas centram-se na financiarização: o aumento deste sector em relação aos sectores produtivos. Um argumento popular é que o sector financeiro e o bancos deveriam ser regulados e restringidos. Mas não é suficiente, é como tentar controlar um tigre numa jaula só com uma folha de papel. Não é seguro que os bancos se comportem conforme a regulação. Só recentemente, os reguladores financeiros dos EUA investigaram as actividades do HSBC, o grande banco britânico, o qual durante anos lavou dinheiro para cartéis mexicanos da droga. Eles ganharam milhares de milhões de libras com isto. Foi descoberto, mas disseram às autoridades para não intervier e não multar o HSBC porque isto poderia deitar abaixo o sistema bancário. Isso mostra que regular os bancos é totalmente inútil. Não muda nada, eles continuarão no mesmo caminho.

O único meio de tratar disto é assumir o comando dos bancos , trazê-los à propriedade pública através do controle pelos trabalhadores da banca e por um controle democrático mais vasto da sociedade como um todo, de modo a que os bancos se tornem um serviço: para providenciar empréstimos às pessoas para o que precisem, para pequenos negócios e conceder empréstimos para melhorar o potencial produtivo da economia, não para especular em mercados financeiros e em activos, ou envolver-se em escândalos em paraísos fiscais e lavagens de dinheiro, como eles têm estado a fazer nas últimas décadas – e continuarão a fazer, mesmo com reguladores por perto.

O outro ponto acerca disto é que o crash financeiro não foi apenas uma crise bancária. Uma crise financeira não está isolada do que acontece no sector produtivo da economia: a manufactura, a tecnologia, que realmente fazem coisas que circulam, sobre as quais então os bancos especulam. Bancos não fazem dinheiro excepto entre si próprios, o valor deve vir de algum lado. O crash bancário foi realmente um sintoma do facto que os sectores produtivos da economia capitalista já não eram bastante lucrativos para suportar este castelo de cartas. Aqueles que argumentam que foi apenas uma crise financeira e que a solução jaz no controle do sector financeiro ignoram a verdadeira natureza da crise e, assim, não podem realmente resolvê-la.

MK: Pode afirmar que o sector financeiro aumenta a instabilidade do sistema?

Claramente, pois esta torna-se cada vez mais grave. Como a lucratividade caiu nas décadas de 1960 e 1970 e permaneceu relativamente baixa nos sectores produtivos durante o período neoliberal, um dos factores para contrariá-la foi comutar investimento para dentro do sector financeiro, bancos e outras instituições, para fazer lucros a expensas do investimento no sector produtivo. O investimento produtivo como percentagem do produto declinou na maior parte das economias nas décadas de 1980 e 1990. Isto é uma indicação da fraqueza da economia capitalista no fim do século XX, a necessidade de desviar para a finança e alhures. Assim, é uma parte importante do processo da crise. Mas ao mesmo tempo é um sintoma da incapacidade de fazer subir a lucratividade.

MK: A Grande Recessão de 2007-2009 não foi prevista pelos economistas?

O livro tem uma secção que seria divertida se não fosse trágica. A profissão económica, as instituições económicas e outros "peritos" não viram a aproximação da Grande Recessão, muito pelo contrário. Banqueiros centrais e governos estavam convencidos de que tudo estava bem e que se houvesse algum problema este poderia ser resolvido facilmente.

Quando o crash chegou, eles foram incapazes de explicar o que havia acontecido. Permaneciam em negação e pensavam que acabaria rapidamente, o que não aconteceu. Eles eram incapazes de explicar porque aquilo acontecia e mesmo agora não podem realmente saber para obter a retomada. As instituições, bancos centrais e governos ainda estão a lutar para conseguir que a recuperação suba acima do nível fraco em que está, porque não entendem o que aconteceu e o que fazer acerca disso.

Houve uma ou duas pessoas que reconheceram os perigos no princípio dos anos 2000. Elas viram a enorme bolha habitacional nos EUA e que aquilo não podia perdurar: alguns viram um enorme aumento em créditos privados, um sector financeiro que também consideraram como perigoso. Assim, um ou dois economistas radicais, no exterior do consenso, reconheceram os perigos reais. E um ou dois marxistas levantaram a ideia de que, apesar do enorme boom nos preços habitacionais e no crédito, por baixo a situação da lucratividade estava a piorar e havia contradições que produziriam um crash.

Um deles foi Anwar Shaikh [1] . Ele previu um grande crash e como consequência uma depressão. Eu fiz uma previsão semelhante em 2005-6. Argumentei que havia uma conjunção de ciclos concomitantes: declínio dos lucros, um pico do mercado habitacional e um ciclo depressivo geral baptizado com o nome do economista russo Kondratieff. Todos estes ciclos estavam a juntar-se num período de baixa depressiva. Isso sugeriu-me que poderia haver um afundamento bastante grave, pensei em 2009-10. Foi um pouco tarde porque ele veio mais cedo. Assim, um punhado de pessoas viram a aproximação da crise, 99 por cento dos economistas não.

MK: Comparou a posição dos EUA hoje com a da Grã-Bretanha durante a última crise dos anos 1930: detendo a hegemonia e simultaneamente sendo economicamente minada. Como é que isso acontece no período que está para vir? A China, por exemplo, poderia assumir esse papel?

Os EUA, a maior economia, teve uma recuperação ligeiramente melhor do que a Europa ou o Japão, os quais se tem esforçado, e de muitas das economias emergentes como o Brasil, a Rússia, a África do Sul. Eles estão em recessão e não se recuperaram de todo. Os EUA estão a sair-se ligeiramente melhor, mas ainda a crescer só a cerca de 2 por cento ao ano desde 2009. Costumava ser de na média de 3,5 por cento no período a partir de 1945 e por vezes mais rápido na era dourada.

Esta é uma recuperação muito fraca e parece estar a esgotar-se. Enquanto a depressão continua, rivais que se saem melhor ficam em posição de desafiar a hegemonia que os EUA tiveram economicamente. Seja como for, a economia estado-unidense declinou relativamente ao longo dos últimos 30 anos. Ela ja não tem a mesma fatia da produção manufactureira do mundo, em comparação com a Alemanha ou o Japão e, naturalmente, a China, qual tem sido a economia de crescimento mais rápido durante os últimos 20 anos e que agora se tornou uma grande potência económica.

Mesmo em outros lados do espectro económico – serviços, tecnologia – os EUA conseguiram rivais. Os EUA ainda são superiores porque tem um sector financeiro maciço, o qual controla e fornece capital por todo o mundo. Isso dá-lhe, juntamente com a Grã-Bretanha – outro grande centro do capital financeiro – controle, apesar da sua posição produtiva mais fraca, através da expansão no domínio do crédito. E é o poder militar muito maior, maior do que todos os outros poderes militares tomados em conjunto, que lhe dá uma forte posição. Você pode utilizar a analogia do Império Romano, o qual também começou um declínio relativo em comparação com os dos seus rivais fora do império, mas continuou a ter hegemonia durante centenas de anos porque havia um exército romano e enormes recursos financeiros. A América está numa posição semelhante, mas está a conseguir rivais.

O capitalismo enfrentará alguns desafios chave ao longo dos próximos 20 anos. O primeiro é a alteração climática e o aquecimento global , o qual é um problema sério acerca do qual o capitalismo nada faz. Isto realmente ameaça o futuro da raça humana e do planeta, a menos que algo se faça. [1]

Também há enormes desigualdades de riqueza e rendimento no mundo , as quais criam enormes tensões sociais. Ao longo dos últimos 25 anos, a desigualdades de rendimento e riqueza provavelmente atingiram um nível nunca visto em 150 anos.

Há também a desaceleração na produtividade : o fracasso do capitalismo em expandir as forças produtivas para proporcionar o que o povo precisa. A tecnologia não se expandiu ao nível do que é possível e o crescimento da produtividade é muito fraco.

Todos estes factores ameaçam o futuro do capitalismo de atender as necessidades dos povos e de manter a capacidade dos EUA em manter a sua posição hegemónica. Assim, as rivalidades entre as grandes potências capitalistas aumentarão e também entre os EUA e a China, porque a China é uma importante ameaça no comércio e na produção, bem como no futuro provavelmente também na finança e na tecnologia. Estas são as contradições crescentes que existem no capitalismo, ameaçando mesmo a existência do planeta.

A EUROZONA

MK: Dedicou um capítulo separado à eurozona. Isto é particularmente relevante desde o Brexit. Durante os últimos 15 anos vimos um agravamento da contradição entre o Norte e o Sul, em particular a Alemanha por um lado e a Grécia, Espanha e Irlanda por outro. Como extrapolaria isso?

O projecto da União Europeia foi um plano dos principais estrategas do capital europeu depois de 1945. Eles não queriam outra guerra, não mais divisões da Europa. Eles quiseram desenvolver a base capitalista dentro da Europa, como uma força unidade que pudesse rivalizar numa escala mundial com os EUA [2] e a Ásia, particularmente o Japão naquele tempo. Eles queriam acabar com pequenas guerras entre países que se tornassem guerras mundiais e união para utilizar os recursos do trabalho e do capital por toda a Europa e desenvolver um vasto capital europeu para rivalizar o resto do mundo. Esse era o plano.

Primeiro introduziram a união aduaneira, deitando abaixo as tarifas entre as três ou quatro maiores economias, incluindo a Holanda. Mais tarde desenvolveram o Mercado Comum (CEE), de modo que o comércio foi expandido a todas as outras áreas, não só com tarifas mas regulações comuns, taxas e condições para o comércio dentro da Europa. E então a própria União Europeia, a qual significou que instituições políticas foram estabelecidas para integrar a Europa numa força única.

O maior passo avante foi introduzir uma divisa única pelo menos para aquelas partes nucleares da UE preparadas e capazes de aderir. Os alemães concordaram em que o poderoso D-Mark fosse integrado numa divisa euro, com a França, Itália e outras economias, incluindo a Holanda. Isto era considerado um passo necessário para integrar a Europa como uma força no mundo.

Mas é muito difícil desenvolver uma divisa sob o capitalismo, uma união, quando o capitalismo, ao expandir suas forças produtivas, também as conduz à separação. Assim as economias mais fracas numa união capitalista realmente ficam mais fracas relativamente às mais fortes. É assim que o capitalismo funciona. Ele não ajuda realmente o fraco a tornar-se forte. Assim as economias mais fracas dentro daquele bloco, especialmente no bloco euro, ficaram em estado relativo ainda pior do que antes após a formação do euro. Elas retrocederam relativamente enquanto o principal ganhador do euro foi o núcleo, a Alemanha em particular.

A Grande Recessão revelou estas fissuras na eurozona. O projecto euro foi como um comboio que é descarrilado pela crise económica . É muito difícil colocar o comboio outra vez sobre os carris porque muitos dos países mais fracos declinaram e os países mais fortes não estavam preparados para salvá-los.

O projecto só funcionaria se houvesse uma união orçamental plena, uma união federal completa, como nos EUA. Mas recordem que os EUA alcançaram isso só após uma terrível guerra civil que esmagou a oposição dos escravocratas do Sul. A ideia de uma união orçamental plena onde todos pagam os mesmos impostos, onde há um governo, uma divisa aplicada a todos: isso não é possível na Europa neste momento, particularmente após a Grande Recessão. De facto, o caso é o oposto: o risco é de que o projecto do euro e o projecto da UE poderiam romper-se, particularmente se houver outro afundamento no futuro.

O Brexit é um exemplo desta tensão. Os estrategas capitalistas britânicos nunca foram entusiastas quanto à ideia da integração europeia . Ainda tinha ilusões de que a Grã-Bretanha era bastante poderosa para avançar por si própria, ou que podia ser um parceiro júnior do capitalismo americano e assim não tinha necessidade de ser integrada na Europa para progredir. A classe dominante britânica estava dividida entre aqueles que pensavam que a Europa era a resposta e aqueles que pensavam era melhor estar só ou com os EUA.

Essa divisão chegou ao máximo com a Grande Recessão, quando a Europa tinha uma enorme crise da dívida em euros, a Grécia, a Espanha e a Itália caiam em depressão profunda e a liderança franco-germânica fracassou em proporcionar apoio a estes países no âmbito do projecto da UE. Assim, alguns capitalistas britânicos disseram: "Bem, a Europa não é realmente o lugar onde possamos obter um lucro; estamos melhor situação sozinhos". Esta divisão política veio à tona com o referendo. De muitas maneiras, isto será um desastre completo para o capitalismo britânico; com os seus estrategas sem saberem qual o caminho por onde estão a ir.

MK: Sugere no livro que nenhuma depressão é permanente. Então há uma saída para o capitalismo?

Alguns marxistas dizem que estamos numa estagnação ou depressão permanente. Não concordo. No passado, o capitalismo mostrou que pode encontrar uma saída, se puder restaurar as condições para uma taxa de lucro mais alta, como fez após a II Guerra Mundial e no fim da depressão do século XIX.

Como fazê-lo? O único meio é restaurar a lucratividade. Isso significa destruir o valor do velho capital que não é mais produtivo. Significa ficar "magro", extirpar velhas plantas más do seu jardim e permitir que cresçam novas. Naturalmente, isto será a expensas dos empregos e do sustento de toda a gente, porque estamos a falar acerca de seres humanos a perderem seus empregos em consequência do encerramento de fábricas e negócios, fusões, liquidação de activos, deslocação de trabalhadores e redução do nível geral de produção para alcançar lucratividade mais alta. Um afundamento, talvez uma série de afundamentos, pode fazer isso. Até então continuaremos com esta depressão. O sistema precisa livrar-se de um bocado de dívida, estraçalhar um bocado de bancos, encerrar um bocado de indústrias e companhias velhas. Isso é horrível, mas é o que o capitalismo faz para ressuscitar a si próprio.

Então o capitalismo poderia obter um novo sopro de vida e utilizar todas as novas tecnologias de que toda a gente está a falar – robots, automação, a Internet das coisas; toda estas espécies de tecnologias que podem ser expandidas – e explorar também novas áreas do mundo nas quais ainda há grandes quantidades de trabalho barato que podem ser utilizadas em conjunto com esta tecnologia.

Talvez as condições políticas e económicas para um tal novo sopro de vida para o capitalismo possam acontecer, digamos, na próxima década em consequência de novos afundamentos, mas só se os trabalhadores nos países que sofrerão com isto forem incapazes de mudar a situação por algum meio e os capitalistas e seus estrategas e representantes políticos permanecerem no poder.

Mas mesmo que isto aconteça, o capitalismo não está em vias de resolver os seus problemas indefinidamente. De facto, está a ficar cada vez mais difícil para eles terem um novo sopro de vida e expansão, com aquecimento global [1] , baixa produtividade, desigualdade crescente e com cada vez menos áreas do mundo a explorar que já não estejam proletarizadas, urbanizadas e façam parte do sistema capitalista global. Há menos espaço para o capitalismo expandir-se. Está a ficar próximo da sua data de validade em termos históricos. Mas mesmo assim poderia haver outro período de expansão nos próximos 20 anos. 

NR
[1] Ver Capitalismo: competição, conflito, crise , Anwar Shaikh
[2] O autor é economista, não climatologista. Ele deixou-se convencer pela campanha maciça dos aquecimentistas, promovida pela UE, pelo capital financeiro e pelo IPCC da ONU. Teria sido melhor dizer que o capitalismo inventa falsos problemas a fim de ocultar os verdadeiros.
[3] A criação da CEE (actual UE) foi estimulada pelo governo dos EUA – ainda que muitos tenham apregoado a intenção de "rivalizar" com os EUA.


[*] Economista, autor de The Long Depression
[**] Da publicação holandesa de Socialist

A versão em inglês encontra-se em thenextrecession.wordpress.com/...


Esta entrevista encontra-se em http://resistir.info/ .

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Dirigentes da UE ao serviço dos EUA actuam contra os interesses dos povos europeus – A guerra das sanções: novas baixas na União Europeia


por Pyotr Iskenderov
 
O 3º maior banco da Itália. O Ministério do Desenvolvimento Económico russo publicou algumas estatísticas que muitos no ocidente preferem ignorar. Estas revelam que a União Europeia, EUA, Canadá, Noruega e Austrália perderam um mercado anual no valor de US$8,6 mil milhões devido às sanções que aprovaram contra a Rússia. Em tonelagem, as importações russas de alimentos daqueles países diminuíram 98,9% – de 4.331 milhões de toneladas para 46.500. "Poder-se-ia dizer que as vendas perdidas dentro do mercado da Federação Russa foram o equivalente à redução em importações agrícolas daqueles países", enfatizou uma declaração do ministro russo do Desenvolvimento Económico.

Aquele serviço também apresentou uma estimativa aproximada da portagem financeira sobre os países da UE – chegam a 50 mil milhões de euros por ano. Isso é igual aproximadamente a 0,4% do produto interno bruto total da UE.

Trata-se de um número significativo, considerando que em 2015, segundo o Eurostat , o crescimento económico total na UE foi de 2& do PIB, mas apenas de 1,7% nos países da eurozona. Ainda mais reveladores são os números comparativos para a última década, os quais incluem nos seus cálculos não só o período da crise financeira e económica como também os anos "gordos" da UE.

De acordo com dados do Eurostat, a economia de toda a União Europeia cresceu a uma média de 1% ao ano desde 2004. Mas na eurozona esse crescimento foi apenas de 0,8%. A guerra das sanções contra a Rússia está a devorar cerca da metade do crescimento económico anual médio da UE.

Contudo, estes são dados médios de toda a UE. Pode-se obter um quadro ainda mais claro se isto for extrapolado para países individuais, considerando não só suas perdas directas como também as indirectas. Assim, de acordo com analistas da General Invest holding company, só em 2014 – o primeiro ano das sanções – os danos sofridos apenas pelas companhias italianas montaram a aproximadamente 20-22 mil milhões de euros. Isto inclui as perdas incorridas não só pelas companhias que comerciam directamente com a Rússia como também aquelas que mantêm uma presença indirecta no mercado russo através de outros estados membros da União Europeia.

O jornal italiano La Stampa tocou a campainha de alarme : a guerra de sanções com a Rússia transformou-se numa "tempestade perfeita" que provocou destruições no sector manufactureiro italiano. As exportações italianas para a Rússia realmente implodiram no ano passado, afundando 34% – de 10,7 mil milhões de euros em 2013 para 7,1 mil milhões em 2015. La Stampa escreve: "A construção de máquinas, as quais representavam 34% de todas as nossas exportações para a Rússia, perdeu 648 milhões de euros em 2015, ao passo que a indústria de confecções perdeu 539 milhões (uma queda de 31%), a de veículos motorizados 399 (queda de 60%), calçados 369 e mobiliário 230".

Peritos italianos foram, há muito, os primeiros a advertir quanto aos efeitos funestos da guerra de sanções com a Rússia. Nos próximos meses a Itália poderá vir a ser a "bomba" que explodirá a frágil estabilidade financeira (e portanto política) na União Europeia.

Federico Santi, analista do Eurasia Group, uma consultora de risco político, afirma que ao entrarmos no segundo semestre do ano a situação na Itália e as suas consequências para o resto da Europa pode demonstrar-se ser o maior risco macro-político. O sistema bancário italiano está vergado sob o peso maciço de empréstimos incumpridos e das políticas agressivas da Alemanha e do Deutsche Bank, os quais estão a utilizar a crise na eurozona para fortalecer suas próprias posições. Responsáveis do governo na Itália relataram um valor de 200 mil milhões de euros de empréstimos "podres" (cerca de 10% do seu total) e peritos independentes avançam com mais 160 mil milhões de euros (o que é um número sem precedentes para o sistema bancário nacional e só comparável aos números encontrados na Grécia).

Em 2015, o terceiro maior banco da Itália – Monte dei Paschi di Siena – possuía 46,9 mil milhões de euros de empréstimos atrasados. O gabinete de Matteo Renzi já lançou uma polémica feroz contra Berlim e Bruxelas, acusando-os pela incapacidade e falta de vontade de efectivamente tratarem dos problemas financeiros da eurozona e exigindo que aos governos nacionais seja dado o direito de tomar suas próprias medidas para combater a crise, tendo em vista suas situações sócio-económicas particulares, as quais incluiriam recapitalizar dívida.

Mas Nicholas Spiro, consultor junto à Lauressa Advisory, acredita que as apostas na Itália são demasiado altas para que os políticos não adoptem um plano de recapitalização dos bancos italianos. Ao mesmo tempo, Bruxelas e Berlim hesitam em tomar as suas próprias medidas de emergência para resgatar o sistema bancário italiano a expensas dos contribuintes europeus, considerando as eleições que estão para vir na Alemanha e em França.

Os resultados dos testes de stress às instituições bancárias da UE que foram efectuados pelo Banco Central Europeu e divulgados no fim de Julho mostram que o terceto siamês conhecido como Itália, França e Alemanha poderiam dentro em breve deitar abaixo todo o sistema financeiro da União Europeia. Apenas em poucos meses as acções do Deutsche Bank caíram 25%; as do banco francês Societé Générale 23%; e o banco italiano UniCredit quase 30%. E os 47 mil milhões de euros de empréstimos "podres" descobertos no balanço do Banca Monte dei Paschi di Siena representam mais do que 40% da carteira de crédito total do banco.

Problemas financeiros, a par do declínio na manufactura, tornam-se uma mistura verdadeiramente explosiva, não só para a Itália como para toda a União Europeia. Contudo, aparentemente Bruxelas ainda não está centrada nisso e sim na continuação da guerra de sanções contra a Rússia.
07/Agosto/2016 
 
O original encontra-se em www.strategic-culture.org/...

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Putin's Warning

Estará a Europa condenada à vassalagem a Washington?


por Paul Craig Roberts
 
A Segunda Guerra Mundial resultou na conquista da Europa, não por Berlim e sim por Washington.

A conquista era certa mas não toda de uma vez. A conquista da Europa por Washington resultou do Plano Marshall; de temores do Exército Vermelho de Staline que levaram a Europa a confiar na protecção de Washington e a subordinar os militares europeus à NATO; da substituição da libra britânica como divisa de reserva mundial pelo US dólar e do longo processo de subordinação da soberania de países europeus individuais à União Europeia, uma iniciativa da CIA implementada por Washington a fim de controlar toda a Europa através do controle de apenas um governo irresponsável.

Com poucas excepções, sobretudo o Reino Unido, a condição de membro da UE também significou perda de independência financeira. Como só o Banco Central Europeu, instituição da UE, pode criar euros, aqueles países que tão loucamente aceitaram o euro como divisa sua já não têm mais o poder de criar a sua própria moeda a fim de financiar défices orçamentais.

Os países que aderiram ao euro devem confiar em bancos privados para financiar os seus défices. O resultado disto é que países super-endividados já não podem mais pagar suas dívidas pela criação de moeda ou esperar que suas dívidas sejam canceladas (written down) para níveis cujo serviço possam aguentar. Ao invés disso, Grécia, Portugal, Latvia (Letónia) e Irlanda foram saqueados pelos bancos privados.

A UE forçou os pseudo-governos destes países a pagarem os bancos privados do norte da Europa através da supressão dos padrões de vida das suas privatizações e pela privatização de activos públicos a tostões. Portanto, pensões de reforma, emprego público, educação e serviços de saúde foram cortados e o dinheiro redireccionado para bancos privados. Companhias municipais de água foram privatizadas o que resultou em contas de água mais altas. E assim por diante.

Como não há prémio, só castigo, por ser membro da UE, por que é que governos, apesar das vontades expressas dos seus povos, aderem a ela?

A resposta é que para Washington não haveria outro caminho. Os fundadores europeus da UE são criaturas míticas. Washington utilizou políticos por ela controlados para criar a UE.

Alguns anos atrás foram divulgados documentos da CIA provando que a UE que fora sua iniciativa. Ver:
www.telegraph.co.uk/...   e   benwilliamslibrary.com/blog/?p=5080

Na década de 1970 o orientador da minha dissertação de Ph.D, então um responsável de muito alto escalão em Washington que controlava assuntos de segurança internacional, pediu-me para efectuar uma missão sensível no estrangeiro. Eu recusei. No entanto, ele respondeu à minha pergunta: "Como é que Washington consegue que países estrangeiros façam o que Washington quer?"

"Dinheiro", disse ele. "Nós damos aos seus líderes sacos cheios de dinheiro. Eles pertencem-nos".

Verifica-se ser claro que a UE serve os interesses de Washington, não os interesses da Europa. Exemplo: o povo e o governo francês opõem-se aos alimentos geneticamente modificado (GMOs), mas a UE permite uma "cautelosa autorização de mercado" da introdução de GMOs, confiando talvez nas "descobertas científicas" dos cientistas que estão na folha de pagamentos da Monsanto. Quando o estado estado-unidense de Vermont aprovou uma lei exigindo a etiquetagem de alimentos GMO, a Monsanto processou o estado de Vermont. Uma vez que os subornados responsáveis da UE assinem o acordo TTIP escrito pelas corporações globais dos EUA, a Monsanto tomará o comando da agricultura europeia.

Mas o perigo para a Europa vai muito além da saúde dos povos europeus que serão forçados a jantar alimentos envenenados. Washington está a utilizar a UE para forçar os europeus a entrarem em conflito com a Rússia, uma poderosa potência nuclear capaz de destruir tudo da Europa e dos Estados Unidos em poucos minutos.

Isto está a acontecer porque líderes europeus subornados com "sacos de dinheiro" preferem antes o dinheiro de Washington a curto prazo do que a vida dos europeus a longo prazo.

Não é possível que qualquer político europeu seja suficientemente estúpido para acreditar que a Rússia invadiu a Ucrânia, que a Rússia a qualquer momento invadirá a Polónia e os estados bálticos, ou que Putin é um "novo Hitler" a tramar a reconstrução do império soviético. Estas alegações absurdas são nada mais que propaganda de Washington totalmente destituída de verdade. A propaganda de Washington é completamente transparente. Nem mesmo um idiota poderia nela acreditar.

Mas a UE vai em frente com a dita propaganda, tal como o faz a NATO.

Por que? A resposta é dinheiro de Washington. A UE e a NATO são absolutamente corruptas. Elas são as prostitutas bem pagas de Washington.

O único meio de os europeus poderem impedir uma III Guerra Mundial nuclear e continuar a viver e desfrutar o que resta da sua cultura que os americanos ainda não destruíram com a cultura de sexo, violência e cobiça dos EUA, é os governos europeus seguirem a pista do inglês e saírem da União Europeia criada pela CIA. E saírem da NATO, cujo propósito se desvaneceu com o colapso da União Soviética e que agora é utilizada como instrumento de Washington para a Hegemonia Mundial.

Por que desejarão os europeus morrer pela hegemonia mundial de Washington? Isso significa que os europeus estarão a morrer também pela hegemonia de Washington sobre a Europa.

Por que os europeus querem apoiar Washington quando altos responsáveis estado-unidenses, tais como Victoria Nuland, dizem "Foda-se a UE"?

Os europeus já estão a sofrer com as sanções económicas que o seu soberano em Washington os forçou a aplicar à Rússia e ao Irão. Por que desejarão os europeus serem destruídos pela guerra com a Rússia? Será que os europeus anseiam pela morte? Será que foram tão americanizados que já não apreciam a acumulação histórica de beleza artística e arquitectónica, realizações literárias e musicais de que os seus países são guardiões?

A resposta é que não faz diferença o que quer que seja que os europeus pensem, porque Washington estabeleceu para eles um governo que é totalmente independente dos seus desejos. O governo da UE é responsável só perante o dinheiro de Washington. Algumas pessoas capazes de emitir ordens (edicts) estão na folha de pagamentos de Washington. Todos os povos da Europa são servos de Washington.

Portanto, se os povos europeus permanecem os crédulos, indiferentes e estúpidos que são actualmente, estão condenados – juntamente com o resto de todos nós.

Por outro lado, se os povos europeus puderem recuperar o seu sentido da realidade, libertarem-se da Matrix que Washington lhes impôs e revoltarem-se contra os agentes de Washington que os controlam, os povos europeus podem salvar as suas próprias vidas e as vidas do resto da humanidade.
29/Julho/2016 
 
O original encontra-se em www.informationclearinghouse.info/article45194.htm

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

sábado, 30 de julho de 2016

Pokemon, o jogo que traz espiões para dentro de casa


por Sergey Kolyasnikov (@Zergulio)
 
'. Pode falar-me do "Pokemon Go"?

Já dei três entrevistas sobre isso, de modo que agora tenho de me aprofundar nas fontes primárias.
  • Programador do jogo: Niantic Labs. É uma start-up da Google. Os laços da Google com o Big Brother são bem conhecidos, mas irei um pouco mais fundo.

  • A Niantic foi fundada por John Hanke, o qual fundou a Keyhole, Inc. – um projecto de mapeamento de superfícies cujos direitos foram comprados pela mesma Google e utilizados para criar o Google-Maps, o Google-Earth e o Google Streets.

  • E agora, atenção, observe as mãos! A Keyhole, Inc. foi patrocinada por uma empresa de capital de risco chamada In-Q-Tel , que é uma fundação oficialmente da CIA estabelecida em 1999.
As aplicações mencionadas acima resolvem desafios importantes:
  • Actualização do mapeamento da superfície do planeta, incluindo estradas, bases [militares] e assim por diante. Outrora tais mapas eram considerados estratégicos e confidenciais. Os mapas civis continham erros propositais.

  • Robots nos veículos da Google Streets olhavam tudo por toda a parte, mapeando nossas cidades, carros, caras...
Mas havia um problema. Como espiar dentro dos nossos lares, porões, avenidas com árvores, quartéis, gabinetes do governo e assim por diante?

Como resolver isso? O mesmo estabelecimento, Niantic Labs, divulgou um brinquedo genial que se propagou como um vírus, com a mais recente tecnologia da realidade virtual.

Uma vez descarregada a aplicação e dadas as permissões adequadas (para acessar a câmara, microfone, giroscópio, GPS, dispositivos conectados, incluindo USB, etc) o seu telefone vibra de imediato, informando acerca da presença dos três primeiros pokemons! (Os três primeiros aparecem sempre de imediato e nas proximidades).

O jogo exige que você dispare para todos os lados, atribuindo-lhe prémios pelo êxito e ao mesmo tempo obtendo uma foto da sala onde está localizado, incluindo as coordenadas e o ângulo do telefone.

Parabéns! Acaba de registar imagens do seu apartamento! Preciso explicar mais?

A propósito: ao instalar o jogo você concorda com os termos do mesmo. E não é coisa pouca. A Niantic adverte-o oficialmente:   "Nós cooperamos com agências do governo e companhias privadas. Podemos revelar qualquer informação a seu respeito ou dos seus filhos...". Mas quem é que lê isso?

E há o parágrafo 6:   "Nosso programa não permite a opção "Do not track" ("Não me espie") do seu navegador". Por outras palavras – eles o espiam e o espiarão.

Assim, além do mapeamento alegre e voluntário de tudo, outras oportunidades divertidas se apresentam.

Por exemplo: se alguém quiser saber o que está a ser feito no edifício, digamos, do Parlamento? Telefones de dúzias de deputados, pessoal da limpeza, jornalistas vibram: "Pikachu está próximo!!!" E cidadãos felizes agarrarão seus smartphones, activarão câmaras, microfones, GPS, giroscópios... circulando no lugar, fitando o écran e enviando o vídeo através de ondas online...

Bingo! O mundo mudou outra vez, o mundo está diferente.

Bem vindo a uma nova era.
18/Julho/2016 
 
Ver também
  • The CIA’s ‘Pokémon Go’ App is Doing What the Patriot Act Can’t
  • Pokémon Go Is ‘Totalitarianism,’ Says Oliver Stone
  • Pokémon Go, the CIA, Totalitarianism”and the Future of Surveillance
  • De Big Brother à Big Data
  • Casos insólitos
  • Mais de um milhão de downloads do Pokemon em Portugal

  • PSP lança manual que ensina a caçar Pokémons em segurança

    A versão em inglês encontra-se em www.fort-russ.com/2016/07/pokemons-in-every-yard-every-military.html


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

  • segunda-feira, 4 de julho de 2016

    A teoria económica dos 1%: Como desconstruir a teoria convencional


    por John Weeks [*]
     

    Durante muitos anos perguntei-me porque tantas pessoas bem informadas manifestam ignorância de aspectos simples da nossa economia. Demorou décadas para perceber que a resposta a esta pergunta repousa em grande parte na resposta a uma segunda: por que estudantes da teoria económica convencional (mainstream) não sabem quase nada acerca da economia real, mas consideram-se peritos embrionários neste campo?

    As respostas a estas perguntas são semelhantes e simples. Elas motivaram o meu livro. Os economistas convencionais têm tido um êxito extraordinário em doutrinar pessoas levando-as a acreditar que os trabalhos da economia são demasiado complexos para qualquer pessoa entender, excepto peritos (isto é, os próprios economistas). A economia que eles afirmam revelar-nos não existe. Eles criaram-na, a alternativa reaccionária ao mundo no qual as pessoas vivem e trabalham. Ensinar estudantes acerca desta economia imaginária impede-os, assim como o público, de entender a economia real.

    A teoria económica mainstream doutrina tanto os estudantes como o público pois representa mal os mercados, propalando falsidades sistematicamente. Como parte desta doutrinação, os [economistas] convencionais capturaram a profissão, a seguir expurgaram-na de keynesianos, ricardianos, marxistas, institucionalistas e todos os outros dissidentes. A disciplina que se chama a si própria ciência económica (economics) é uma doutrina religiosa dedicada ao culto dos mercados e os seus membros são sacerdotes desta doutrina.

    Economistas convencionais tipicamente descartam dissidentes como incompetentes, insuficientemente matemáticos e técnicos. Mas os incompetentes são os seguidores da doutrina convencional, sobrecarregando a profissão e o discurso público com um peso morto de inconsistências absurdas que eles apresentam como teoria. Em séculos passados astrólogos e alquimistas representaram uma barreira para o entendimento do mundo natural. Em grande parte do mesmo modo, as constantes adulterações neoclássicas da realidade impedem o entendimento das circunstâncias económicas nas quais as pessoas vivem, trabalho e sustentam-se.

    Em consequência desta adulteração não há consequência política ou económica tão reaccionária ou ultrajantemente anti-social que alguns economistas convencionais não defendam e a maior parte dar-lhe-ia seu apoio tácito. Dentre os absurdos reaccionários inclui-se que discriminação de género e de raça é uma ilusão, que o desemprego é voluntário e que o sector público é ineficiente.

    Os [economistas] convencionais propõem e praticam uma falsificação da teoria económica. Eles são econo-falsificadores, presos a uma fraudulenta teoria económica pseudo-científica, tal como astrólogos deturpavam o cosmos e alquimistas apregoavam o contra-senso da transubstanciação química. A ideia de que economias de mercado estão sempre e continuamente em pleno emprego subjaz à estrutura teórica destes convencionais. Todas as conclusões teóricas e políticas derivam desta premissa falaciosa. É a inexorável e indesculpável presunção do pleno emprego, contrária à realidade, que mais do que qualquer outra coisa qualifica os economistas mainstream como "falsificadores". Tal como os astrólogos, alquimistas e criacionistas dizem asneiras acerca do mundo natural, os neoclássicos propõem e defendem zelosamente uma versão falsa da sociedade de mercado.

    Se, depois de se apropriarem da profissão, a escola neoclássica tivesse sido conduzida ao descrédito – como aconteceria se criacionistas assumissem o comando da genética, se astrólogos fossem guindados à astronomia e alquimistas capturassem laboratórios de química – a sua ofensa classificar-se-ia como um crime intelectual menor. Contudo, eles tiveram êxito em vender o seu dogma como sabedoria incontestável para a orientação de governos. Não é sabedoria. É um vírus do intelecto que corrompe o cérebro, tornando-o incapaz de pensamento são.

    Alguns críticos reclamam que economistas arrogantemente pretendem entender muito mais do que realmente entendem. Esta crítica é demasiada fraca. O mainstream afirma ter conhecimento profundo da economia, mas não entende quase nada da mesma e obscurece quase tudo. A suposição do pleno emprego serve como véu de ocultação, representando mal "o problema económico" como aquele de distribuir recursos escassos. A realidade é a oposta. O problema económico central em sociedades de mercado é gerar trabalho útil e produtivo para aqueles que o desejam. Em sociedades de mercado o trabalho é abundante, não escasso.

    Grande parte da imerecida credibilidade de economistas mainstream resulta da sistemática promoção da ignorância ao longo dos últimos trinta anos por parte dos economistas neoclássicos e dos media. Entender a economia não é simples, mas não mais difícil do que entender suficientemente o sistema político para votar. As pessoas vão regularmente às cabines eleitorais e escolhem candidatos ou rejeitam-nos todos. As mesmas pessoas manifestam uma ignorância da teoria económica que as deixa incapazes de avaliar teses competidoras acerca da política pública.

    Meu primeiro livro explica que relações e processos económicos podem ser entendidos pelo público geral e que a perícia apregoada pelos [economistas] convencionais é um espectáculo de enganos e encobrimentos (smoke-and-mirrors). Em linguagem não técnica reformulei então a teoria económica como deveria ser: o estudo de sociedades com recursos ociosos e como induzir o que permanece ocioso à utilização produtiva. Este foi o contexto teórico para todos os grandes economistas, desde Smith e Ricardo até Marx e Hobson e continuando até Keynes, Galbraith e Kalecki. Rejeitar o absurdo dos recursos escassos leva a uma refutação das parábolas reaccionárias dos mainstream, das quais as mais importantes são:
    • O desemprego resulta de altos salários e/ou de apoio demasiado generoso àqueles sem trabalho (trabalhadores causam seu próprio desemprego);
    • Demasiada moeda em circulação causa inflação e é invariavelmente o resultado de despesas pública excessivas (governos causam inflação);
    • A competição faz mercados eficientes e traz benefícios para todos, tanto internamente como no comércio internacional (a competição beneficia toda a gente, a regulação prejudica todos); e
    • As regulações do sector públicos interferem com a livre escolha das pessoas e solapam a eficiência dos mercados (o governo é um fardo).
    No meu livro mostro que estas parábolas reaccionárias derivam do mundo de fantasia do pleno emprego, não de teoria sã. Os economistas de pacotilha dão-lhes credibilidade superficial ao apresentarem pessoas como produtores e consumidores que procuram obter ganho individual. Na teoria económica do mundo real, as pessoas não são primariamente produtoras e consumidoras. As economias de mercado são sociedades de classe na qual a vasta maioria procura através de meios sociais regular, reformar e limitar o dano colateral criado pela competição de mercado. E ao assim fazer, alcançar, se possível, uma sociedade produtiva de pleno emprego apta para a vida humana.
    16/Novembro/2014 
    [*] Autor de Economics of the 1%: How mainstream economics serves the rich, obscures reality and distorts policy (Anthem Press, 2014).

    O original encontra-se em http://iippe.org/wp/?p=2342


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .